Designação do objecto:

Placas de arqueta

Localização:

Moura, Beja, Portugal

Museu titular:

Museu Municipal de Moura

 About Museu Municipal de Moura, Moura.

Datação do objecto:

596-629 AH / 1200-1232 AD

Número inventário do Museu titular:

s/n

Material / Técnica:

Placas em osso pintadas.

Dimensões:

Alt. 6,2 cm; Larg. 12,8 cm

Período / Dinastia:

Fase final do período almóada

Proveniência:

O local de fabrico destas placas, encontradas no castelo de Moura, pode ter sido a região de Granada.

Descrição:

Placas em osso que serviram de revestimento a uma pequena arca. Da arca, que seria provavelmente em madeira, não nos chegaram quaisquer vestígios. Os dois conjuntos de placas apresentam uma decoração idêntica, finamente pintada e de grande simplicidade.

Parece-nos, por comparação com outras peças conhecidas, um dos exemplares de decoração mais sóbria (podemos mesmo falar de um certo primitivismo), no contexto dos marfins e ossos islâmicos do Mediterrâneo Ocidental.

A figuração é simples: a peça é marcada pela presença central de uma rosácea de laçaria ladeada por duas figuras humanas (numa das faces é apenas visível uma delas). Os círculos das rosáceas eram desenhados a compasso, sendo depois as figuras esboçadas a tinta da china ou com traços de manganés com um pincel, preenchendo-se o resto com pigmentos.

Os antropomorfos são representados em duas dimensões, sem qualquer modelação de luz e sombra, e de forma esquemática: os olhos são dois pequenos círculos, cuja direcção em que olham é dada pela posição relativa da íris face às sobrancelhas. A boca é simbolizada por um único e fino traço.

As figuras da peça de Moura parecem envergar roupagens largas, de tradição oriental - possivelmente o kaftan, longa túnica de seda, veludo ou cetim que se prolongava até aos joelhos ou aos tornozelos, de longas mangas e aberta à frente. A tipologia das figurinhas, de grossas sobrancelhas arqueadas e longo nariz, aponta também para o arquétipo representativo dos homens do Próximo Oriente.

Nos extremos da composição figuram dois conjuntos fitomórficos, que parecem tentar uma representação realista, presente em toda a arte islâmica ocidental e cujo uso generalizado atingiu uma certa convencionalidade que facilita a sua identificação. Longos e flexíveis caules rematados por formas globulares combinam-se, em registos sobrepostos, com flores de lótus envolvidas por palmetas digitadas.

View Short Description

Placas em osso datáveis da fase final da presença islâmica (596-629 AH / 1200-1232 AD). Pensa-se que tenham servido para revestir uma pequena arca em madeira. Os diferentes elementos (humanos, vegetais e geométricos) sugerem um fabrico peninsular, não sendo estranhas ao autor influências orientais.

Como foram estabelecidas datação e origem:

A atribuição de uma cronologia foi realizada através do estudo comparativo desta peça com exemplares semelhantes oriundos de Espanha, com datações propostas para os séculos VII-VIII AH / XIII-XIV AD. A presença dos elementos antropomorfos (praticamente idênticos aos das peças esgrafitadas de Murcia, da primeira metade do séc. VII AH / XIII AD), e a própria data da reconquista de Moura permitem-nos propôr os inícios do séc. VII AH / XIII AD como datação plausível para o fabrico desta peça.

Historial da aquisição pelo Museu:

Escavações arqueológicas no castelo de Moura (1980 ou 1981).

Historial da proveniência:

Encontradas in situ.

Bibliografia seleccionada:

AAVV, Portugal Islâmico. Os últimos sinais do Mediterrâneo, Lisboa, 1998, p. 103.

Macias, S., “A arqueta pintada de época islâmica do Museu de Moura”, Actas das V Jornadas Arqueológicas (Lisboa, 1993), 2º vol., Lisboa, 1994, pp. 295-298.

Macias, S.,e Torres, C., O legado islâmico em Portugal, Lisboa, 1998, p. 168.

Citation:

Santiago Macias "Placas de arqueta" in "Discover Islamic Art", Museum With No Frontiers, 2020. http://islamicart.museumwnf.org/database_item.php?id=object;ISL;pt;Mus01_C;30;pt

Autoria da ficha: Santiago Macias


Número interno MWNF: PT 40